Poesias

Aquele moleque

Sabe aquele moleque, bem menino do grupo
Aquele que ria e faz ria?
Aquele de contava a mais triste notícia
Mostrando como nem tudo estava perdido?

Sabe aquele moleque que se achava grande, o maioral
Que em suas histórias era herói, o melhor de todos
Onde todos os amigos precisam de ajuda
E ele daria sua vida por eles?

Sabe aquele moleque que quando alguém caia
Era capaz de cair junto de tanto rir
Era capaz de fazer festa com a desgraça alheia
E que quando ele caia, as lágrimas de riso e choro se misturavam?

Sabe aquele moleque que sonhava com um mundo melhor
Mesmo não tendo a menor ideia do que faria, do que seria?
Aquele que falava de voar e ter coisas caras
Mesmo que mal tivesse níqueis ou qualquer outro poder?

Sabe aquele pirralho que zombava dos outros
Até ver lágrimas para entender que magoara
Que chorava junto porque no fundo
O que queria eram sorrisos, mesmo que ao custo de suas lágrimas

Sabe esse moleque?
Ele estava em mim todo tempo, mas eu o prendi sempre
Com um moleque calado e quieto
Áspero e que mostrasse quem não era e o que não era.

Sabe… Aquele moleque era eu…
Não o deixei morrer e não deixarei
Só não sei como dizer a ele
Que me arrependo da prisão que construí e tudo que eu mais queria
Agora, era vê-lo sorrir. Sempre.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: